3 de agosto de 2020

A reabertura da UE poderia excluir visitantes americanos por causa da fraca resposta ao COVID-19

Os americanos podem ser impedidos de entrar nos países da União Europeia reabrindo suas fronteiras após os bloqueios do COVID-19 , de acordo com um relatório de terça-feira do The New York Times. Visitantes dos EUA podem ser bloqueados devido à resposta inadequada do país à pandemia, diz o relatório. Os EUA têm o maior número de casos COVID-19, em  mais de 2 milhões , de acordo com números de rastreamento da Universidade Johns Hopkins.

Essa proibição colocaria americanos ao lado de turistas do Brasil e da Rússia, que têm o segundo e o terceiro maior número de casos, respectivamente. Existem mais de 9 milhões de casos confirmados de COVID-19 em todo o mundo. 

Os países europeus estão decidindo entre duas listas potenciais de quem pode entrar, o que está sendo determinado pelo quão bem uma nação está lidando com a pandemia. A China está incluída nas duas listas, de acordo com o Times. Os EUA estão supostamente excluídos de ambos. 

Os viajantes fora da UE já haviam sido proibidos de visitar essas nações, além de algumas exceções, desde março, quando o surto se espalhou. Espera-se que uma chamada final para a reabertura de fronteiras ocorra no início da próxima semana, antes da reabertura da UE em 1º de julho.

Embora os países europeus tenham restringido amplamente o surto de vírus , o número de casos nos EUA continua a aumentar em muitos estados. A proibição de viajantes nos EUA teria um impacto econômico significativo, pois muitos americanos viajam para a Europa em busca de trabalho, escola e turismo. A convocação para excluir os EUA não seria definitiva, pois a UE revisará a lista a cada duas semanas com base em informações atualizadas sobre as taxas de infecção. 

Show Buttons
Hide Buttons